Vazamentos da Odebrecht complicam chapa Dilma-Temer, Lula, ministro Padilha e partidos

Resultado de imagem para Lula dilma e temer

Brasília – Os depoimentos vazados nos dois últimos dias de executivos da construtora Odebrecht, prestados no início deste mês ao ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Herman Benjamin, relator do processo que pede a cassação da chapa Dilma-Temer por abuso de poder econômico e político, revelaram detalhes bombásticos das relações do Departamento de Operações Estruturas, chamado de “departamento de propinas”, da empreiteira com partidos e políticos e como o dinheiro irrigou a última chapa presidencial. O ex-presidente da empreiteira, Marcelo Odebrecht, revelou que a ex-presidente Dilma Rousseff sabia de pagamentos via caixa 2 para o seu marqueteiro, João Santana. “Ela nunca me disse que sabia que era caixa dois, mas é natural, ela sabia que toda aquela dimensão de pagamentos não estava na prestação do partido”, afirmou o empresário ao relator do TSE.

De acordo com Marcelo Odebrecht, a empreiteira doou R$ 150 milhões à campanha de Dilma-Temer em 2014, incluindo R$ 50 milhões como contrapartida de uma medida aprovada no Congresso em 2009 de interesse da construtora. “Talvez quatro quintos” do valor destinado à campanha de Dilma tenham sido via caixa dois e quem fazia a interlocução do PT com a empreiteira para os pagamentos a Santana eram os ex-ministros Antonio Palocci e Guido Mantega, segundo o empresário.

Marcelo Odebrecht apresentou ainda ao TSE documentos que apontam o detalhamento da suposta movimentação da conta-corrente do “departamento da propina” feita pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Essa informação, segundo a Agsência Estado, consta de trechos das declarações de Odebrecht. Entre os documentos está uma curta planilha em que aparece o codinome “Amigo”, que seria referência a Lula. A lista revela que, em 22 de outubro de 2013, o saldo de “Amigo” era de R$ 15 milhões. Já em 31 de março de 2014, o valor passou para R$ 10 milhões. Não foi explicado o que foi feito com R$ 5 milhões.

 

Fonte:http://www.em.com.br/app/noticia/politica/2017/03/25/interna_politica,857115/vazamentos-da-odebrecht-complicam-chapa-dilma-temer-lula-e-padilha.shtml