‘Trajetória voltada para delitos’, diz juiz sobre adolescente suspeita de participar de latrocínio de advogado em Natal

 Magnus Vinícius Pinheiro de Souza, de 55 anos, foi baleado e acabou morrendo no local do crime  (Foto: Arquivo PessoaL)
Magnus Vinícius Pinheiro de Souza, de 55 anos, foi baleado e acabou morrendo no local do crime (Foto: Arquivo PessoaL)

“Trata-se de uma adolescente cuja trajetória até aqui delineada é voltada para a prática de delitos”, é o que diz o juiz Homero Lechner, da 3ª Vara da Infância e Juventude de Natal sobre a adolescente suspeita de participar da morte do advogado Magnus Vinícius Pinheiro de Souza, de 55 anos, vítima de um latrocínio (roubo seguido de morte) ocorrido no dia 2 de maio, em Natal.

Em sua decisão, o juiz afirma que a adolescente possui uma personalidade violenta, tendente a prática de atos infracionais. A suspeita responde a outros processos, por ato infracional. A garota e outro jovem tiveram a internação provisória decretada por 45 dias.

Advogado capotou o carro  (Foto: Divulgação/PM)
Advogado capotou o carro (Foto: Divulgação/PM)

A adolescente foi presa na quinta-feira (18). Dois homens foram presos e um menor, apreendido. Sobre o crime de latrocínio, o juiz Homero Lechner considera que “o fato de adolescentes matarem por dinheiro comprova que os mesmos não possuem qualquer sentimento para com o próximo, para com a vida, seus valores morais e éticos há muito se perderam. São, na maioria das vezes, adolescentes com um conceito de vida desvirtuado, valorizando somente os bens materiais”.

O crime aconteceu no bairro de Neópolis, na Zona Sul de Natal. O advogado chegou a capotar o carro tentando escapar dos bandidos. Ele era irmão da delegada aposentada da Polícia Civil Rossana Pinheiro, ex-titular da Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher (Deam).

Um dos suspeitos presos confessou o crime e afirmou que a adolescente, que é irmã dele e estava no carro no momento do disparo, teria sido utilizada como isca para atrair a vítima, e que a mesma teria roubado os pertences do advogado após o latrocínio e vendido ao seu companheiro na Praia de Pirangi.

‘Perda irreparável’

“A justiça virá ainda porque confiamos em Deus e muitos estão trabalhando para isso, mas nada nem ninguém poderá trazê-lo de volta para nós”. É o que disse a delegada aposentada da Polícia Civil Rossana Pinheiro, ex-titular da Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher (Deam), irmã do advogado.

Irmão da delegada aposentada foi morto durante um assalto nesta terça-feira (2) (Foto: Facebook)

Fonte: http://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte/noticia/trajetoria-voltada-para-delitos-diz-juiz-sobre-adolescente-suspeita-de-participar-de-latrocinio-de-advogado-em-natal.ghtml