“Não há como deixar de chegar no PSDB”, afirma Dilma após declaração de Gilmar Mendes sobre caixa 2

Em viagem à Genebra, convidada para participar do Festival Internacional de Filmes de Direitos Humanos neste sábado (11), a ex-presidente Dilma Rousseff fez um comentário sobre a declaração do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) e presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Gilmar Mendes, que afirmou que doações em caixa dois podem não configurar corrupção.

“Acho isso muito interessante. Passei toda uma campanha eleitoral e nunca ouvi isso. Acho que uma coisa está mudando. Não há como deixar de chegar no PSDB”, afirmou Dilma com ironia aos jornalistas no evento.

No evento, ela também defendeu o legado do PT no poder, falou dos programas de seu governo e atribuiu a transposição do Rio São Francisco ao ex-presidente Lula. Nesta sexta (10), a obra do trecho leste foi inaugurada por Michel Temer.

Se referindo a ele como “presidente ilegítimo”, Dilma disse que Temer não pode buscar melhorar sua popularidade “em cima da obra alheia”.

Sem citar o nome de seu sucessor, a quem chamou de “presidente ilegítimo”, Dilma afirmou que Temer não pode tentar melhorar sua popularidade “em cima da obra alheia”.

Em festival, Dilma chamou Temer de "presidente ilegítimo"
Em festival, Dilma chamou Temer de “presidente ilegítimo”

Ainda segundo a ex-presidente, o governo atual representa uma ameaça ao conjunto de políticas sociais implementadas durante o seu mandato. Ela também atribui a Temer a degradação do cenário econômico brasileiro. “Embora a imprensa diga que a situação econômica esteja melhorando, tanto a crise econômica quanto a crise política se aprofundaram”, afirmou.

Perguntada sobre Lula, ela afirmou que o maior objetivo político no Brasil no momento é garantir que ele se candidate nas eleições de 2018. “Assegurar que Lula seja candidato é fundamental”, disse Dilma. Segundo ela, Lula atravessou um período no qual todos os meios de comunicação estavam contra ele, mas, apesar de tudo que fizeram contra o ex-presidente, “ele é o primeiro nas pesquisas”.

Dilma negou ter recebido propina da construtora ou de outras empresas em suas campanhas. “Nunca pedi propinas, nunca recebi propinas, e, de fato, nunca falei com todos aqueles que agora estão sendo investigados ou presos por terem pago propinas”, afirmou ela, que foi citada na delação premiada da Odebrecht.

Sobre a crise, Dilma também citou fatores externos como “a queda mundial do preço das commodities e o fim do ‘quantitative easing’ (afrouxamento monetário) nos EUA”, como alguns dos responsáveis pela crise econômica no Brasil. Dilma também fez uma auto-crítica sobre suas políticas no governo.

“Achei que, diminuindo impostos do setor privado, teria um aumento dos investimentos. Me arrependo disso. Fragilizei o lado fiscal e, em vez de investirem, eles aumentaram a margem de lucros”, refletiu a ex-presidente.

Após o festival, Dilma deve se encontrar com parlamentares suíços e relatores de direitos humanos, além de participar de um reunião na sede da Organização Internacional do Trabalho e de uma palestra no Graduate Institute of Geneva, um centro de estudos de Ralações Internacionais, para falar sobre o futuro da luta contra o neoliberalismo.

 

Fonte:http://www.jb.com.br/pais/noticias/2017/03/12/nao-ha-como-deixar-de-chegar-no-psdb-afirma-dilma-apos-declaracao-de-gilmar-mendes-sobre-caixa-2/