Gustavo Carvalho defende uso de recursos da CIDE para recuperação de estradas


O deputado estadual Gustavo Carvalho (PSDB) defendeu, durante a sessão plenária de hoje (18), a utilização de recursos oriundos das Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico (CIDE) para a recuperação imediata de estradas estaduais do Rio Grande do Norte. Segundo o parlamentar, há atualmente R$ 17 milhões em conta do Governo do Estado, porém o recurso está bloqueado em razão da não assinatura de Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), o que impede o seu uso para a correção do problema.

“Se o Governo do Estado resolver a questão do TAC, terá de pagar R$ 6 milhões, mas ainda restariam R$ 11 milhões para a recuperação das rodovias. Essa é uma questão que diz respeito à economia de muitos municípios e também à segurança das pessoas que trafegam por essas vias”, argumentou o parlamentar no plenário da Assembleia Legislativa. O deputado ressalvou que as recentes chuvas registradas no interior do Estado devem agravar a situação.

Gustavo Carvalho exemplificou o problema que motivou a sua fala em plenário. O parlamentar afirmou que, em viagem recente às regiões do Alto Oeste e do Mato Grande, ele pôde constatar o problema in loco. “Com exceção da Região Agreste, que passou recentemente por um processo de recuperação, o problema é generalizado e algumas estradas, como as que dão acesso a Tenente Ananias e Marcelino Vieira, estão intrafegáveis”, comentou o deputado.

O parlamentar ressaltou a atenção dispensada pelo General Fraxe, titular do Departamento de Estradas e Rodagem (DER), ao problema, mas ressalta que a conservação das estradas deve ser tratada como prioridade pelo Governo do Estado.

Gustavo Carvalho lembrou que o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) também precisa dedicar a mesma atenção para rodovias federais, a exemplo da BR-226. “Para se chegar com segurança a Janduís, temos que fazer um desvio que aumenta a viagem em 70 quilômetros”, exemplificou o deputado, que acrescentou: “há rodovias no Rio Grande do Norte que voltaram a ser vicinais”.

 

Assessoria