Do Jornal de Hoje

Policiais civis da 4ª Delegacia de Polícia em ação conjunta com o Núcleo de Inteligência e a Força Tática da Polícia Militar conseguiram prender, na madrugada de hoje, o traficante Isaac Heleno da Cruz, 27 anos, mais conhecido como Rivotril, em uma das várias trilhas do morro de Mãe Luiza.

O criminoso saía de uma das residências onde se escondia durante a noite quando foi surpreendido pelos policiais. Durante a fuga houve troca de tiros com a Polícia, mas o bandido levou a pior e foi alvejado por dois disparos. Ele foi detido e levado para o Hospital Walfredo Gurgel, onde passou por uma cirurgia na manhã de hoje. Foi encontrado com ele um revólver calibre 38, um colete a prova de balas, duas cartelas do medicamento Rivotril e uma trouxa de cocaína.

Segundo informações da PM, a prisão do criminoso aconteceu por volta das seis horas da manhã com a participação de dezesseis policiais. Enquanto Isaac saía de uma das casas aonde se refugiava nas proximidades da companhia da PM do bairro, para se esconder em uma das várias trilhas do morro, a força tática detectou o traficante e iniciou a perseguição. Na fuga ele atirou duas vezes contra os policiais, que revidaram, atingindo o criminoso na perna e glúteo.

ytjhrtjrh

No Walfredo, policiais fizeram a segurança para evitar nova fuga do traficante. Familiares também estavam no hospital a espera de notícias. Após os procedimentos médicos ele será levado para a delegacia de Mãe Luiza. De acordo com o advogado de Rivotril, Edberto Smith, “a defesa vai se pronunciar após o levantamento dos crimes que ele será indiciado, não se sabe ao certo por quantos ou quais ele realmente vai responder, uma vez que ele é suspeito de denúncias na região que ele não tem ligação alguma”.

“Ele não estava foragido da polícia como a mídia divulgou. Ele recebeu um alvará de soltura ano passado. Vamos aguardar o posicionamento da Polícia Civil”, finalizou o advogado de defesa.

Na manhã de hoje os comandantes da operação realizaram coletiva de imprensa da 4ª Delegacia de Polícia para explicar a imprensa detalhes da ação. De acordo com o delegado Amaro Rinaldo, Isaac Heleno responde a quatro homicídios na 4ªDP e possui dois mandados de prisão em aberto. Considerado um bandido de alta periculosidade pela polícia, ele também é suspeito de participar de vários assassinatos e de traficar drogas naquela região. Rivotril vinha sendo procurado desde o final do ano passado.

Processos

De acordo com o Banco Nacional de Mandados de Prisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), constam em aberto dois mandados de prisão contra Rivotril. O primeiro por homicídio qualificado expedido pelo juiz Ricardo Procópio Bandeira de Melo, da 3ª Vara Criminal de Natal. Na segunda, o mandado foi expedido pelo juiz José Armando Ponte Dias Júnior, da Vara Única do município de Goianinha, que pede a prisão preventiva do suspeito por roubo. Além dos dois mandados de prisão vários processos criminais, incluindo homicídio qualificado, porte ilegal de arma de fogo, tráfico de drogas e roubo.
erryrty6jyu8

No último sábado, a mãe de Rivotril, Joana D’arc Firmino da Cruz concedeu entrevista exclusiva ao O Jornal de Hoje, e revelou em um discurso emocionado que gostaria de ver o filho se render a Polícia. “Eu falei pra ele, meu filho porque você não se entrega, eu lhe ajudo, faço um empréstimo, o que você quiser. E ele me respondeu, ‘se a senhora continuar me pedindo isso, vai ver eu morrer aqui nos seus pés, a senhora duvida?’ E eu fiquei calada. Ele nunca foi uma pessoa agressiva, ele se tornou pela vida que leva. Eu e os pai somos como Deus na vida dele”, disse.

Sobre o futuro do filho, Joana D’arc revelou entregar a situação nas mãos de Deus. “Já escutei muito das pessoas para esquecer ele, mas é meu filho e mãe é mãe. Deus toma conta. Eu rezo e peço a Deus todos os dias para nunca ver ele morto pela polícia. Quando fecho os olhos e lembro da última boa lembrança que tive, foi o aniversário dele dia 26/07 de 2010, quando comemoramos aqui com todos da família. A minha última boa lembrança que tive dele antes da primeira prisão”.