Archive for novembro 11th, 2017

Três suspeitos morrem em confronto com a PM no interior do RN

Resultado de imagem para tiro de revolver
Foto ilustrativa da Internet

Três suspeitos morreram e outro ficou ferido após trocarem tiros com a Polícia Militar, na manhã deste sábado (11) em João Câmara, região Agreste potiguar. Um quinto suspeito conseguiu fugir, de acordo com a PM.

Segundo a assessoria de imprensa da PM, o confronto começou após uma perseguição que começou durante uma operação do Grupo Tático Operacional (GTO), que é a unidada especializada em sertão, cujos policiais são preparados para atuação na caatinga.

De acordo com o relato policial, a equipe fazia uma patrulha rural quando se deparou com cinco criminosos em um carro. Os suspeitos então tentaram fugir e dispararam contra a viatura. Eles estavam armados com armas longas, de calibre 12 e revólveres.

Dois suspeitos morreram durante o confronto. Um outro, de acordo com a PM, foi socorrido ao Hospital Santa Catarina, na Zona Norte de Natal, mas morreu antes de dar entrada na unidade. Um ficou ferido e outro conseguiu fugir.

O tiroteio aconteceu próximo a saída para Jandaíra. De acordo com a PM, os envolvidos no confronto eram suspeitos de assaltos na região rural de Ceará-Mirim, já na região metropolitana da capital, e cidades vizinhas. Até o fechamento desta matéria, a polícia ainda não tinha a identificação oficial dos mortos e feridos.

Fonte: https://g1.globo.com/rn/rio-grande-do-norte/noticia/tres-suspeitos-morrem-em-confronto-com-a-pm-no-interior-do-rn.ghtml

Bolsonaro terá de pagar R$ 150 mil por declaração contra gays

Da Exame.com.br

Deputado Jair Bolsonaro
Brasília – O deputado Jair Bolsonaro discute com a deputada Maria do Rosário durante comissão geral, no plenário da Câmara dos Deputados, que discute a violência contra mulheres e meninas, a cultura do estupro, o enfrentamento à impunidade e políticas públicas de prevenção, proteção e atendimento às vítimas no Brasil. (Foto: ) (Marcelo Camargo/Agência Brasil/Agência Brasil)

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), pré-candidato à Presidência, foi condenado em segunda instância a pagar R$ 150 mil, em razão de danos morais coletivos, ao Fundo de Defesa dos Direitos Difusos (FDDD), subordinado ao Ministério da Justiça. Ele foi punido por declarações homofóbicas feitas durante um programa de televisão, em 2011.

Após a entrevista, três entidades de defesa dos direitos de gays (o Grupo Diversidade Niterói, o Grupo Arco-Íris de Conscientização Homossexual e o Grupo Cabo Free de Conscientização Homossexual e Combate à Homofobia) ajuizaram uma ação civil pública.

Na ação, as entidades pediram que Bolsonaro fosse obrigado a se retratar e pagar indenização de pelo menos R$ 500 mil. O processo tramitou na 6ª Vara Cível e, em abril de 2015, a juíza Luciana Santos Teixeira condenou Bolsonaro a pagar R$ 150 mil. O pedido de retratação não foi atendido.

O recurso do deputado foi julgado na quarta-feira, 8, pela 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio. Por três votos a dois, os desembargadores decidiram mater a punição. Ainda cabem recursos ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) e ao Supremo Tribunal Federal (STF). Até a conclusão desta edição, a reportagem não havia conseguido contato com o deputado para comentar a decisão do TJ-RJ de manter a punição.

PT tenta barrar lei de “Ficha Limpa” no congresso antes das eleições de 2018

Resultado de imagem para Carlos Zarattini do PT de São Paulo
Foto: da Internet

Um petista ontem, 10, no congresso, precisamente o deputado Carlos Zarattini do PT de São Paulo fez sua declaração em defesa da impunidade dos políticos que cometeram atos ilícitos antes da existência da lei da ficha limpa.

É possível que o objetivo não e só garantir a candidatura dele e de outros compassas, inclusive de diversos partidos; mas principalmente a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para presidente do Brasil.

“Esse projeto não mexe na Lei da Ficha Limpa, ele só mexe nesse entendimento de que os possíveis crimes cometidos antes da Lei da Ficha Limpa devam ter uma punição diferente daquela que era prevista na lei daquela época. Portanto, nós somos contrários a punir duas vezes a mesma pessoa pelo mesmo crime”, disse Carlos Zarattini (PT-SP).